A ascenc?a?o meteo?rica do N!

,

Lanc?ado em fevereiro de 2014, o Grupo com um total de 281 grupos independentes Testemunho desta implantac?a?o a um ritmo de distribuidores, quatro dos quais em Portugal: Bragalis, Cosimpor, Krautli e Soulima. A implantac?a?o geogra?fica tambe?m teve uma evoluc?a?o importante, estando o grupo presente, atualmente, em 67 pai?ses de quatro continentes. De salientar, tambe?m, que o Grupo Nexus foi determinante

para o surgimento recente de tre?s mega- organizac?o?es (Turquia, Ita?lia e Russia), elas pro?prias membros integrantes da Nexus Automotive.

Nexus assume-se como uma alianc?a mundial de empresas de distribuic?a?o de componentes para aftermarket, com um cariz inovador e orientado para o valor. A sua expansa?o tem sido surpreendente.

O grupo cresceu dos nove membros originais para mais de 45 empresas parceiras no final de outubro deste ano, acreditando os seus responsa?veis que atingira?o a meia centena ate? ao final do ano.

O Grupo e? detido por 14 empresas e conta vertiginoso e? a faturac?a?o superior a tre?s mil milho?es de euros no final de 2014, valor que no final deste ano de 2015 ascendera? a sete mil milho?es de euros.

COMO TUDO FUNCIONA

Com escrito?rios em Genebra, Paris, Sa?o Paulo, Joanesburgo e Dubai, o Grupo Nexus cobre

os mercados europeu, do Me?dio Oriente, sul-africano, da A?sia-Paci?fico e americano, operando como um facilitador de compras para os seus parceiros, assim como fornecedor de servic?os.

A N! estabelece contratos globais de fornecimento com alguns dos maiores fabricantes mundiais de componentes, como Bosch, Delphi, Monroe, TRW, Valeo ou a portuguesa Veneporte, que contactam diretamente com os distribuidores. Este acesso privilegiado traduz-se num poder de negociac?a?o combinado, garantindo, assim, melhores prec?os para os operadores (parceiros) nos diferentes mercados.

A Nexus assegura, ainda, apoio nas negociac?o?es estrate?gicas e bo?nus internacionais, a que se juntam iniciativas de formac?a?o. E? o caso da N! Academy, um projeto de formac?a?o para os membros do grupo que comec?ara? a ser implementado durante 2016 e que tem como objetivo a garantia das melhores pra?ticas em todas as empresas que compo?em o grupo.

MARCA PRO?PRIA GERA POUPANC?AS

Apresentada em Portugal no Congresso do Grupo Serca, mas ainda na?o disponi?vel para o nosso mercado, a Drive+ e? a marca pro?pria de produtos do Grupo Nexus. Fornecedores homologados da Nexus te?m a seu cargo o abastecimento de uma gama completa de produtos a prec?o competitivo, com presenc?a no TecDoc, sendo condic?a?o imprescindi?vel

a capacidade para dar resposta logi?stica a pedidos pequenos.

Para ja? o “cesto” de produtos disponi?veis comporta discos e pastilhas de trava?o, rolamentos e elevadores de vidros, mas esta?o em estudos novas gamas de componentes, como embraiagens, baterias, amortecedores, bombas de a?gua e sensores TPMS. O objetivo e? alcanc?ar prec?os que traduzam poupanc?as “da ordem dos dois di?gitos”, conforme referem responsa?veis da Nexus.

????????????

A fatia de lea?o da faturac?a?o do Grupo Nexus pertence, por agora, ao mercado europeu, onde se concentram 47% do volume de nego?cios deste grupo. O segundo lugar cabe ao mercado norte-americano, onde a empresa opera atualmente atrave?s da Automotive Distribution Network. O peso deste mercado faz com que existam planos de expansa?o para esta zona do globo, estando em curso o estabelecimento da Nexus Automotive North America que devera? ser responsa?vel por uma faturac?a?o de 3000 M€ ate? ao final de 2016.

Quanto a? Ame?rica Latina o foco de expansa?o esta? em pai?ses como o Chile, a Colo?mbia, o Peru eo Uruguai, que devera?o formar, em conjunto com a Argentina e o Brasil, a Sa?o muitas as insi?gnias que compo?em a constelac?a?o Nexus: ate? agora, 281 distribuidores independentes Nexus Automotive Latin America durante o pro?ximo ano.

Com os mercados africano e europeu consolidados e amadurecidos, as atenc?o?es do grupo Nexus viram-se para a regia?o A?sia– Paci?fico, que atualmente vale apenas 2% do total de faturac?a?o. Aqui a N! espera alcanc?ar 25 membros ate? ao final de 2016, devendo mais de 20 provir do mercado chine?s, principal foco da estrate?gia da Nexus para o futuro.

De tal maneira que a China e? alvo de um projeto pro?prio de expansa?o, sendo objetivo a aglutinac?a?o de um grupo vasto de operadores que atualmente operam de forma desconexa. Atrave?s das redes de oficinas e em conjunto com entre cinco e sete fabricantes OE na?o competidores, a Nexus pretende implementar na China um modelo de nego?cio assente em quatro pilares: marketing, formac?a?o, imagem de marca e base de dados te?cnica.

?BRAGALIS: CERTEZA DE BONS RESULTADOS

Para melhor perceber a importa?ncia que o Grupo Nexus tem no nosso pai?s, procura?mos saber junto dos seus so?cios lusos qual o balanc?o que fazem desta nova parceria, que tem pouco mais de um ano. De entre todas as empresas contactadas, apenas a Bragalis acedeu a responder a?s nossas questo?es, atrave?s de Jose? Alberto, seu diretor- geral.

Alberto esclareceu que a ligac?a?o da empresa ao Grupo Nexus surge atrave?s da associac?a?o celebrada com o Grupo Serca, uma parceria que “surge naturalmente pela necessidade de internacionalizac?a?o da empresa, acesso a novos produtos, marcas, servic?os e experie?ncias, aproveitando o que ja? esta? feito em todas estas a?reas e dando o nosso contributo para o seu desenvolvimento e otimizac?a?o”. Desta associac?a?o resulta “um caminho comum, com objetivos, viso?es e estrate?gias devidamente delineadas e consolidadas em conjunto”, o que leva a que na?o haja “qualquer incompatibilidade de projetos”.

Revelando que ainda e? cedo para balanc?os, Jose? Alberto adianta que esta e? “uma parceria no seu ini?cio, com algum trabalho ja? feito e muito pela frente”. Mas ressalva o empenho na colaborac?a?o com

as duas entidades e a “certeza de muito bons resultados nestas associac?o?es”, que devera?o decorrer das mais-valias conseguidas, mas tambe?m do trabalho que esta? a ser desenvolvido para “potenciar tudo que temos ao nosso alcance na Serca/Nexus”.

Para o futuro, a Bragalis ve? que esta associac?a?o com um player mundial como a Nexus sera? u?til

para “modernizar, consolidar, aumentar nego?cio e abrir novos horizontes e vale?ncias do nego?cio do aftermarket”, pois tais sa?o as bases de todas as empresas envolvidas. Quanto ao projeto Drive+, Jose? Alberto afirma que o mercado luso acolhe bem as marcas de cariz econo?mico: “A nossa sociedade

esta? formatada com consumidores do melhor que ha? e com os que procuram relac?a?o qualidade/prec?o”. Esta divisa?o foi algo que a Bragalis ja? entendeu “ha? muito tempo” e por isso tem no seu portfo?lio “marcas de presti?gio e de equipamento OE e outras para satisfazer o mercado que faz ‘contas’ quando leva a viatura a? reparac?a?o. Esta associac?a?o e? uma mais-valia para a nossa empresa”.

Source: TURBO OFICINA | DEZEMBRO 2015